segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Texto introdutório de qualquer coisa

Nas linhas do comboio que observo de um ponto privilegiado, edito a linha do meu pensamento, por vezes redundante, outras apenas confessional. E essa linha conduz à estação que devo sair, onde as pessoas pegam em canetas e papeis e formalizam as letras que dançam no pensamento. Das linhas vejo também o rio, a água e a ponte, que, inevitavelmente, é uma passagem, para onde já se sabe. Eu não quero passar, quero ficar aqui e explorar tudo quanto há.
A linha define o que preciso. Escrever como o ar. Apenas isso.
Talvez presunção...pouco mais que isso.

4 comentários:

Mo disse...

e a estação que deves entrar?
:P

mais uma vez fizeste-me lembrar uma coisa (aliás duas) mas é mto complicada para explicar aqui :P

manhã disse...

Escrever é assim andar de comboio pelo pensamento, no lugar do mestre linha!

Mo disse...

privilegiada é que é :D

Martini disse...

eheheheh

ainda bem que reparaste ;)

isto é que eu gosto!