domingo, 1 de junho de 2008

Eis a razão

A propósito do Rock in Rio, Vitor Belanciano escreve hoje no Público o seguinte: "(...) Características (espontaneidade e generosidade) que estiveram ausentes do primeiro dia de um festival que mantém as marcas das duas edições anteriores, misto de centro comercial ao ar livre e parque temático de diversões, capaz de apelar a um público transgeracional"

É por isto e algumas coisas mais que não gosto do Rock in Rio. Não me identifico com o cartaz, com excepção da decadente Amy Winehouse. Poderíamos ter este cartaz há 5 anos que continuaria a não ser novidade (ah! e os Tokio Hotel). Não é que ache que a música deva sempre ser novidade. Mas o Rock in Rio não traz nada de novo, aposta numa fórmula familiar, onde a música não é o pano de fundo, mas o entretenimento a todo o custo. E eu sou daquelas pessoas que quando vou a um concerto, quero é ouvir música.

Nota: Bem sabem vocês que fiquei até à última com esperança de arranjar um bilhete para ver a Amy, sim porque eu não dou 53 euros "por um mundo melhor", não o arranjei. Não poderia ir ver tal é a minha invalidez actual, mas ainda bem que não arranjei bilhete, se visse a Amy ao vivo como vi na TV acho que chorava.

1 comentário:

Marta disse...

Respeito que penses isso, mas gosto do conceito do Rock in Rio, há bandas repetidas, poucas novidades, mas como tu própria disseste não se pode esperar sempre novidades... O dia de ontem (30 de Maio) foi um muito bom...BON JOVI, um óptimo concerto, e há tantos anos que esperava o seu regresso em Portugal que me deliciei com as minhas músicas, com o Jon... e ontem sim, conseguimos ouvir música... :)E tenho muita pena de não puder ir no último dia porque acho que vai ser otro grande dia de concertos... :)