quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

O que se vê em Marte #9 - Allen, Woody Allen




Há qualquer coisa de inevitável entre mim e o Woody Allen, ou melhor, entre mim e os filmes dele. Acabo sempre por vê-los e se a memória não me falha, julgo que nos últimos 10 anos não falhei nenhum. Tenho em crer que Match Point foi o ponto alto nas suas últimas incursões cinematográficas; essas, recheados de mediania e ao mesmo tempo de elementos comuns, muito woodyalleanos, que afinal são a mais valia da trama, da forma como é contada e construída. Um filme de Woody Allen é um filme de Woody Allen, não há dúvidas.
Ontem vi O Sonho de Cassandra e apesar de ter gostado do filme, não consigo classificá-lo para lá da mediania. Uma mediania a que já estamos habituados, com excepção do intenso Match Point, como não me canso de referir.
O que me agrada, já que a interpretação é falível, já que afinal Londres não sobressai tanto como em Scoop ou Match Point, é ver que a impressão digital do realizador está lá: nos planos, no casamento da música com as cenas; e por fim, em alusões aos clássicos da literatura com pequenos pormenores deliciosos. Está tudo lá. É por isso que continuo a ver os filmes deste senhor, porque apesar de não trazerem nada de novo, a verdade é que ele continua a saber o que faz e a fazer de uma forma subtil, que me agrada. Nunca mais teremos um Match Point, mas também nunca mais tivemos um Manhattan, ou Ana e Suas Irmãs. Mas continuamos a ter Woody Allen. Ele mesmo.




2 comentários:

Marta disse...

Sem tirar nem por... foi na mouche... Apesar das imagens de Londres que eu adorei e que me deram uma saudade enorme, nada mais tenho a acrescentar

Mónica disse...

gostei do "setembro" e de outros q n me lembro o nome. mas em geral concordo contigo, os filmes n têm nada de deslumbrante, vêem-se bem. como o trabalho de um bom aluno da realização, é bom mas n tem carisma. isto se descontar a pessoa dele como actor e o tema psicologia complexo de edipo e afins que atravessa quase todos os filmes :-(

há uma cena de um filme q n sei o nome em que o personagem está no autocarro e pára ao lado de outro autocarro e repara q o outro autocarro está cheio de gente bonita. dps olha para o autocarro em q vai e são todos feios :DDD sempre q vou num autocarro e páro ao lado de outro lembro-me disto e acho que o raio do woody allen tem razão!! ahahahahahah isto é a representação do olhar do pessimista :P